estrada

O que você não quer fazer com 60 anos?

Perguntamos pra geral: “Por que investir pode ser muito bom?”

Hoje quem responde é o UX Designer e Empreendedor, João Paulo.

Investimento: uma questão de autoconhecimento e de inteligência emocional
Por: João Paulo

Eu não sei qual o seu sonho ou o seu objetivo de vida, cada um de nós vive em um contexto totalmente diferente. Casas, carros, objetos materiais, no geral, não me atraem muito. Ainda assim, invisto desde sempre, porque aprendi a importância de começar a investir cedo. Faço isso desde os meus 21 anos, ou seja, faço isso faz 1 ano. Ainda sou novo nesse mundo 🙂

Eu sempre brinco com os meus amigos dizendo que não vou comer uma pizza no meio da semana, prefiro guardá-la para quando eu tiver os meus 70 anos. Pois é, eu falo na brincadeira, mas no fundo é verdade!

Você já se perguntou o que estará fazendo quando chegar aos seus 40 anos? 50 anos? 70 anos? Quando eu me fiz essa pergunta (após uma breve crise existencial) eu descobri que eu realmente não sei como vai ser, eu mal consigo imaginar como vai ser o mundo. Aí eu mudei o exercício: o que eu não quero estar fazendo com 60 anos?

A resposta foi bem simples: trabalhando. Eu não quero estar trabalhando todos os dias para ganhar dinheiro, como faço hoje, quero ter uma liberdade bem maior do que essa. Sempre sonhei em ficar viajando o mundo, quero morar uma semana na Itália e outra na Alemanha.

Aprendi com os meus pais a importância de investir – e o mais legal é que eles investem também! – e descobri lendo e estudando que é possível fazer o dinheiro trabalhar para mim (nós). Inclusive, quando você descobre os juros compostos isso fica bem evidente 😉

Investir é um hábito, você precisa de disciplina e isso começa de um jeito bem simples: poupando – e pode começar na poupança mesmo, você não é obrigado a começar hoje já pensando em LCIs, LCAs, CDBs, Fundos…comece por onde você se sentir mais à vontade, mas poupe um pouquinho todo mês. Foi assim que eu comecei e foi uma escolha da qual não me arrependo!

Lembre-se que investimento também é uma questão de autoconhecimento e de inteligência emocional. Conhecer o seu perfil antes de investir é extremamente importante.

Se você já leu “Pai rico, pai pobre” vai entender bem o que eu quero dizer (e se não leu ainda, vá correndo ler!). Pague-se primeiro! Crie o hábito de pagar-se antes de qualquer outra conta, pessoa, compra… Recebeu dinheiro na conta? Pague-se! Transfira para a sua poupança, fundo, faça aporte no seu investimento, o que for, mas crie esse hábito, com o tempo você começa a entender melhor a importância dele.

No final de cada mês, quando eu me pago primeiro, vejo os meus investimentos rendendo, eu tenho a sensação de estar chegando mais perto de onde eu quero – e esse é um puta sentimento bom de se sentir.

Enfim, independentemente do que te atraia, de qual o seu sonho ou objetivo de vida, pense com carinho como vai ser a sua vida lá na frente e lembre-se de que ela é afetada pelas escolhas que você faz hoje. Investir e poupar, certamente, são escolhas e atitudes que você vai agradecer por ter tido.

Este post foi escrito, sem qualquer remuneração, por um cliente (que já consideramos um amigo e chamamos de um Warren :)), expressando seu ponto de vista sobre como investir pode ser bom!